Ad imageAd image

Líder de Ruanda critica percepção de ambiguidade dos EUA em relação ao genocídio de 1994

Isaías Raposo
4 Min Read

O presidente do Ruanda, Paul Kagame, disse na segunda-feira que estava preocupado com o que considerou o fracasso dos Estados Unidos em caracterizar os massacres de 1994 como um genocídio contra a minoria tutsis do país. Os seus comentários surgiram depois de o secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, numa publicação na plataforma social X, não ter especificado que o grupo étnico tutsi era o alvo.

Muitos ruandeses criticaram o comentário de Blinken no domingo, que dizia: “Lamentamos os muitos milhares de tutsis, hutus, twas e outros cujas vidas foram perdidas durante 100 dias de violência indescritível”.

O dia 7 de Abril marca o início, há 30 anos, de uma onda de assassinatos de 100 dias perpetrada por extremistas do grupo étnico Hutu, na qual foram massacrados membros da minoria Tutsi e moderados Hutu.

Kagame disse acreditar ter chegado a um acordo com as autoridades dos EUA para que não expressassem qualquer crítica no dia do aniversário.

“Há 365 dias em um ano. Dê-nos esse dia, 7 de abril, comemore connosco e depois poderá ficar os restantes 364 dias a culpar-nos todos os dias por tudo o que não gosta em nós”, disse.

As autoridades ruandesas afirmam que qualquer ambiguidade sobre quem foram as vítimas do genocídio é uma tentativa de distorcer a história e desrespeitar a memória das vítimas.

As questões sobre como assinalar o genocídio decorrem de alegações de que a milícia da Frente Patriótica Ruandesa, liderada por Kagame, que pôs fim aos massacres e governa Ruanda incontestada desde 1994, cometeu os seus próprios assassinatos por vingança durante e após o genocídio.

Ele já havia dito que suas forças mostraram moderação. Num discurso no domingo, Kagame disse que os ruandeses estão enojados com o que ele descreveu como a hipocrisia das nações ocidentais que não conseguiram impedir as matanças.

Kagame está sob pressão crescente devido ao envolvimento militar do Ruanda no leste do Congo, onde as tensões aumentaram recentemente, à medida que os líderes dos dois países se acusam mutuamente de apoiar grupos armados.

Especialistas das Nações Unidas afirmaram ter “provas sólidas” de que membros das forças armadas do Ruanda estavam a conduzir operações no país em apoio ao M23, cuja rebelião causou o deslocamento de centenas de milhares de pessoas na província do Kivu do Norte, no Congo.

As autoridades ruandesas dizem que querem dissuadir os rebeldes, incluindo os extremistas hutus responsáveis ​​pelo genocídio, que fugiram para o leste do Congo.

Na segunda-feira, Kagame disse que o M23 está a lutar pelos direitos dos tutsis congoleses, sendo que pelo menos 100 mil deles procuram agora refúgio no Ruanda depois de fugirem dos ataques no leste do Congo.

“Por que razão estamos a ser acusados, como o Ruanda, de apoiar o M23 e estou a dizer que mesmo aqueles que nos acusam, na verdade, deveríamos acusá-los de não apoiarem o M23, porque é como se concordassem com a injustiça que está a ser feita a esta comunidade”, ele disse.

Share This Article
Leave a comment