Ad imageAd image

Huambo acolhe amanhã acto central do 4 de Abril

Isaías Raposo
4 Min Read

O acto central de celebração dos 22 anos de Paz e Reconciliação Nacional, a assinalar-se amanhã, vai acontecer na província do Huambo, sob o lema “4 de Abril: Juntos pelo Crescimento Inclusivo do País”.

De acordo com o memorando sobre as comemorações do 4 de Abril, elaborado pelo Ministério da Administração do Território, a que o Jornal de Angola teve acesso, além deste acto, vão ser realizadas várias outras actividades a nível de todo o território nacional e nas Missões Diplomáticas e Consulares angolanas para saudar a data.

A efeméride resultou do Memorando de Entendimento assinado, em 2002, entre as forças beligerantes de então, cujo acordo permitiu reafirmar a vontade de paz manifestada a vários níveis pelos angolanos, abrindo, deste modo, o caminho para a implementação de um amplo programa de reconciliação nacional.

O Ministério da Administração do Território refere, no documento, que este feito possibilitou gizar estratégias de políticas públicas que permitiram, inicialmente, a realização de um programa de reabilitação de infra-estruturas destruídas em décadas, decorrentes do longo conflito armado, cujas premissas colocam, hoje, o país na “incontornável” rota do desenvolvimento socioeconómico.

Durante este período de paz e reconciliação nacional, prossegue o memorando, o país registou uma alteração substancial no quadro político, social e económico, com destaque para a transformação das notícias de mortes provocadas pela guerra em informações sobre construção de infra-estruturas reabilitadas e construídas, com realce para as vias de comunicação, factor que voltou a unir o país, permitindo, assim, a circulação de pessoas e o retorno aos campos agrícolas desminados, caminhos-de-ferro operacionalizados, “entre tantas outras que testemunham a marcha imparável que Angola empreende rumo ao desenvolvimento inclusivo e sustentável do país”.

O documento destaca que os campos de batalha foram substituídos pelo espaço público, onde, ao contrário dos conflitos de outrora, se travam discussões acesas, se exerce a cidadania, sem que tal corrompa as forças políticas levando a mais uma confrontação bélica.

“A normalização política permitiu que se aprofunde, diariamente, a democracia e se reforcem os direitos dos cidadãos, através de uma governação participativa”, lê-se no memorando. Este documento ressalta que, durante os 22 anos de paz e reconciliação nacional, o país passou a viver uma enorme certeza do futuro entre os angolanos, fruto da convicção de todos os angolanos de que a paz é definitiva e que esse bem imprescindível para o desenvolvimento deve estar despido de cor partidária.

O memorando faz menção que, após largos anos de conflito armado, o povo angolano passou a usufruir, cada vez mais, os frutos da paz, factor fundamental para o desenvolvimento de qualquer nação.

“Como resultado desse passo, Angola segue unida e reconciliada, embora se tenha, por cá, a consciência de que muito ainda há que ser feito”, refere o memorando, sublinhando que tanto a reconciliação nacional quanto o desenvolvimento socioeconómico são, ambos, processos que exigem múltiplos esforços, sendo exercício de todas as forças vivas da Nação, não obstante o seu credo religioso, crenças, estrato  social ou cor partidária.

As comemorações do 4 de Abril visam, segundo o Ministério da Administração do Território, desenvolver acções que incutem nos angolanos os ideais da paz, fraternidade, solidariedade, justiça social, unidade e reconciliação, incentivar e promover o espírito de tolerância, o respeito mútuo, da propriedade, a reconciliação dos angolanos, exaltar valores como o amor à pátria e o respeito pelos seus símbolos, assim como enaltecer a paz definitiva e a reconciliação nacional.

Share This Article
Leave a comment